Logo Fair'n Square

Um mundo justo e igual para todas as crianças

Logo: Handicap International
Logo: Handicap International
Logo: Unicef
Logo: Uniao Europeia

Fair’n Square é um mundo justo e igual para todas as crianças e todas as pessoas

 

E está realmente a acontecer…

Em Mozambique, um dos países mais pobres do planeta, veja como a inclusão é possível

bonhommescolor

O que fazemos
Um serviço do bairro

 

O Serviço de Informação, Orientação e Acompanhamento Social (SIOAS) abrange pessoas portadoras de deficiência, principalmente através das suas brigadas móveis, em 35 dos bairros mais pobres de Maputo, Matola e Beira e em breve também estará presente em Tete e Nampula; estes são cinco dos centros urbanos mais populosos de Moçambique. O SIOAS tem um foco especial em crianças.

Ao identificar pessoas com deficiência e trabalhar directamente com as suas famílias e comunidades, o SIOAS ajuda a capacitá-las. A sua situação é avaliada e são identificados obstáculos e oportunidades. O SIOAS ajuda as pessoas com deficiência e as suas famílias a identificar e implementar soluções sustentáveis que respondam às suas necessidades específicas identificadas.

As brigadas móveis do SIOAS são compostas por um trabalhador de campo do Instituto Nacional da Acção Social e membro de uma organização da sociedade civil – na maioria dos casos, uma Organização de Deficientes.

 

A presença de membros da brigada de diferentes origens permite que o SIOAS chegue até pessoas com deficiência, incluindo as que são mantidas longe da vista. Cada brigada é responsável por um bairro.

O SIOAS utiliza a mobilização e a formação de prestadores de serviços nos campos da saúde, educação e justiça para atender às necessidades das pessoas com deficiência. O serviço cria as condições para permitir uma resposta apropriada às necessidades identificadas.

Estiveram envolvidos decisores políticos durante todo o projecto, uma vez que são fundamentais para a expansão do SIOAS e a tradução de abordagens testadas em políticas e programas. Durante os fóruns consultivos, as autoridades governamentais, a sociedade civil e os prestadores de serviços têm trabalhado em conjunto para aprovar medidas concretas que permitam a inclusão social e o acesso a serviços por pessoas portadoras de deficiência.

Barreiras
e Solução

As pessoas com deficiência enfrentam uma grande variedade de desafios que devem ser abordados.

Falta de mobilidade

Entregar dispositivos auxiliares (cadeiras de rodas, andarilhos e muletas) para crianças com deficiência através do apoio ao Instituto Nacional da Acção Social e ao Ministério da Saúde.

Discriminação

Campanhas de consciencialização pública.
Partilha de informação e formação de serviços de saúde, educação e sociais sobre os direitos das pessoas portadoras de deficiência.

Transporte

Acesso a cartões de transporte. Dar prioridade aos serviços com base na proximidade e na comunidade. Financiamento a associações locais que fornecem transporte a pessoas com deficiência para acesso às escolas, serviços de saúde, serviços de reabilitação física e psicossocial”.

Acesso a serviços

Adaptação de infra-estruturas para melhorar o acesso aos edifícios e dentro deles. Formação de profissionais em inclusão para mudar práticas e atitudes. Abordagem nas políticas de inclusão.

Auto-estima

Promover actividades desportivas e culturais inclusivas. O apoio social personalizado ajuda individualmente as pessoas com deficiência a desenvolverem as suas próprias soluções para os seus problemas.

Historial

2009

Primeiro projecto em regime piloto implementado com o objectivo de garantir o acesso de Pessoas com Deficiência aos serviços sociais
e de saúde em Maputo e na Matola. Abertura do primeiro SIOAS
em 2011.

2012

O SIOAS torna-se um modelo potencial, através do qual as pessoas com deficiência podem
ter acesso a programas sociais. Maior envolvimento do governo nas actividades e criação do segundo SIOAS.

2017

3 SIOAS operacionais em Maputo, Matola e Beira. O modelo também será testado em Tete e Nampula nos próximos anos, antes de se tornar um serviço oficial em todo
o país para todas as pessoas vulneráveis, independentemente da condição de deficiência.

Nossa filosofia

Inclusão

Promovemos a máxima participação de todos os cidadãos, em particular dos grupos vítimas de discriminação e de exclusão. Trata-se de envolver a todos a cada passo e encorajar os outros a fazê-lo.


Protecção social

É uma visão de longo prazo para uma sociedade sustentável onde as pessoas mais vulneráveis têm acesso a redes de segurança social: dinheiro ou espécie, permitindo que as pessoas satisfaçam as suas necessidades básicas.


Apoio social personalizado

Personalizado: leva em consideração a singularidade das pessoas: deficiências, meios, apoio familiar e crianças.
O apoio social está a trabalhar com a pessoa para que ela possa determinar que problemas precisam ser resolvidos e quais as melhores soluções.

Em números

 

Ao longo dos últimos sete anos, o SIOAS identificou, orientou e apoiou muitas pessoas vulneráveis, e mais especificamente pessoas portadoras de deficiência, ao mesmo tempo que capacitava os prestadores de serviços e os responsáveis pela tomada de decisões em matéria de inclusão dos abandonados e de acessibilidade.

pessoas identificadas

8.702

pessoas identificadas

250

dispositivos auxiliares para crianças com deficiência

servicos

58

serviços que passaram a ser acessíveis

beneficiários

879

beneficiários de iniciativas da sociedade civil

Desde o início do projecto, os activistas do SIOAS identificaram 8.702 pessoas vulneráveis, das quais 2.124 são crianças com deficiência, sendo 43% raparigas, e as encaminharam para os serviços apropriados. 10.434 familiares foram sensibilizados e envolvidos na resposta.

250 crianças deficientes estão a receber dispositivos auxiliares, nomeadamente cadeiras de rodas, muletas e andarilhos.

Antes da distribuição, é realizada uma avaliação abrangente que inclui o diagnóstico, a adaptação e o processo de reabilitação. Os dispositivos auxiliares (como cadeiras de rodas) devem ser ajustados à condição física de cada criança. São necessárias até três consultas para que a criança e a família possam receber o auxílio personalizado, que inclui a orientação sobre como usar e cuidar do novo equipamento.

Com o apoio de um arquitecto, 58 infra-estruturas físicas que albergam serviços públicos foram ajustadas com vista a melhorar o acesso e a facilidade de movimentação dentro do espaço (por exemplo, através do acréscimo de rampas, ajuste de portas). Além disso, 35 funcionários da saúde, educação e outros serviços foram treinados em matérias relacionadas com a deficiência, como é o caso da língua de sinais.

8 Organizações da Sociedade Civil foram financiadas para treinar prestadores de serviços em língua de sinais; fornecer transporte acessível entre a casa e a escola para crianças com deficiência; promover a reabilitação comunitária e domiciliária; implementar actividades culturais e recreativas inclusivas; apoiar os professores na promoção da educação inclusiva para crianças com deficiência e consciencializar as comunidades e os pais sobre os direitos das crianças com deficiência à educação. Estas iniciativas abrangeram mais de 1.965 pessoas, incluindo 533 crianças.

Leia as histórias

 

“Hei-de ser advogado para defender as pessoas necessitadas”

Leia a sua história

“Hei-de saber o que dizer às crianças”

Leia a sua história

“Temos de ser visíveis”

Leia a sua história

“Posso ir sozinha ao mercado”

Leia a sua história

“Filó não gosta de tchau

Leia a sua história

“Quero aprender a escrever com uma caneta”

Leia a sua história