Eduardinho
Humor e nobre ambição

“Hei-de ser advogado para defender as pessoas necessitadas”

A casa de Eduardinho situa-se num bairro da cidade da Matola, próximo de uma rua que está prestes a ser pavimentada. Vive com os pais e com a irmã mais velha, Marlene. Ele está sempre a sorrir e possui um grande sentido de humor. Quando regressa da escola, descansa um pouco e depois volta a sair para ir brincar com os amigos do mesmo lado da rua. É muito difícil ele chegar ao outro lado neste momento.

Eduardinho com a sua mãe
Eduardinho com a sua mãe

Quando Maria Celeste, a nossa assistente comunitária, foi bater à sua porta no ano passado, o quadro era bem diferente. Agora Eduardinho é um rapaz sociável e sorridente, mas aos 11 anos não consegue andar, ainda usa fralda e tem muitas dificuldades em falar. Como a irmã que é muito próxima dele foi à escola, ele passou a maior parte do dia a ver televisão.

Eduardinho com as nossas activistas
Eduardinho com as nossas activistas

Yoga, a mãe do Eduardinho, costumava levá-lo às sessões de fisioterapia quando ele era bebé, mas o hospital estava situado longe de casa e muitas vezes o médico não aparecia. Desanimados, desistiram pois pensavam que ele estaria melhor em casa.

Eduardinho no pátio da escola
Eduardinho no pátio da escola

Maria Celeste convenceu a família que Eduardinho devia estar na escola. Os pais estavam preocupados pois achavam que ele era demasiado dependente, mas Maria Celeste indicou-lhes uma escola especial e à semelhança de Ansha, ele ingressou numa escola para crianças com necessidades específicas de aprendizagem, tendo sido integrado na turma da primeira classe da Professora Ricardina. Mesmo tendo dificuldades em segurar uma caneta, ele gosta da escola.

Eduardinho com Ansha no pátio
Eduardinho com Ansha no pátio

No espaço de um ano, Eduardinho não só aprendeu a ler e a escrever, como também consegue estar de pé e, o mais impressionante de tudo, já consegue andar. Tornou-se independente, deixou de usar fraldas e a sua fala está a melhorar constantemente. Ele agora sabe falar português e changana. Quando lhe perguntaram se sabia falar inglês respondeu “oh meu Deus, sim!” E mesmo que isso seja tudo o que ele sabe dizer, é apenas o começo.

Eduardinho com Ansha no pátio
Eduardinho com Ansha no pátio

A alegria do Eduardinho é contagiante. Adora ir para a escola, onde fez muitos amigos. “Especialmente a Dionísia da terceira classe,” diz ele, ligeiramente encabulado... Neste momento, os nossos assistentes comunitários pediram à escola para diagnosticar as suas necessidades em termos de fala e fisioterapia para poder melhorar as suas habilidades de escrita, fala e andar. Habilidades de que necessitará para realizar o seu sonho de um dia vir a ser advogado. “Advogado de defesa,” diz ele. E já tem o talento!

Eduardinho sorrindo na sala de aula
Eduardinho sorrindo na sala de aula

Leia suas histórias

Muzna
Filomena
Ester
Raul
Ansha